Video of Day

EMBU 453 ANOS


18 de julho - Aniversário de Embu
Mais uma velinha pra velhinha:
Embu faz 453 anos

- Amarre uma fitinha no dedo!
É pra não esquecer que o Aniversário de EMBU é agora, no dia 18 de julho! 453 anos!
- Ué! Mas o aniversário do Embu não foi esse aí no dia 18 de fevereiro? 48 anos?
- Que 48, nada, são 453 anos, não 48. Aquilo não é o aniversário. O de que estou falando é do aniversário da Fundação do Embu, o dia do nascimento, Embu, pode-se dizer, é irmã gêmea de São Paulo, nasceu no mesmo ano, só 6 meses depois, no dia 18 de julho de 1554.
- Então por que a gente fez tanta festa em fevereiro? Foi uma festança só. Semana inteirinha! .
- É outra coisa. Não tem nada a ver. E foi emancipação, que aconteceu muito depois, Levou 396 anos pro Embu se emancipar! E se o Embu não tivesse sido fundado nem teria emancipação, coisa nenhuma. Foi quando Embu se separou de Itapecerica, e então passou a não depender mais dela. Agora tem sua própria prefeitura, elege o seu prefeito e vereadores e é uma briga danada pra ver quem vai ganhar. Emancipação é mais coisa de político E político pode fazer muita festa, mesmo que seja só por 48 anos de emancipação O Embu veio faz muito tempo, pouco depois que Pedro Álvares descobriu o Brasil, e seis meses só depois de São Paulo, fundada pelo Padre Nóbrega e pelo Padre Anchieta. E, certamente foram mesmo dos dois que estiveram aqui pra fundar o Embu, que então se chamava M’boy.
- Então, o que acha? Qual o dia que é mais importante? O dia Nascimento? Ou o da emancipação?
- O dia do Nascimento, com certeza! Quando a gente nasce é que é o dia mais importante da vida. Se o Embu não tivesse sido fundado, a gente não teria nem município, nem emancipação, nem Embu das Artes, nem prefeito, nem nada! Nascimento é pra todos nós, emancipação e só pra eles.
- Não acha então que se devia fazer muita festa no dia do aniversário da Fundação de Embu?
- Claro! Deviam comemorar todos os anos com uma festança daquelas, bem maior até que no da emancipação.
- E sabe que até existe uma Lei que confirma a Fundação de Embu e diz que o dia 18 de julho deve ser comemorado? A Lei da Fundação de Embu foi aprovada em 2003. Veio tarde, mas veio.
- E nem assim? Ninguém comemora? Nem a Prefeitura? Por quê? Porque ninguém sabe? Porque não divulgam?
- Acho que é isso mesmo. Ninguém sabe. Nem a prefeitura divulga, nem faz festa. Acho que nem o prefeito se interessa. E foi ele que gostou do projeto e fez a Lei.
Nascimento, Fundação. Embu das Artes, dos Mananciais não é coisa deles. Desde 2003 não se fez nada no dia 18 de julho. São 453 anos e o Embu não teve nenhuma festinha. Dá pena, né? Nenhuma velinha pro velhinho!
- È! A realidade é essa. Pros políticos é mais interessante dar festa de emancipação, rende mais, pois aí eles vão dizer que foram eles que trabalharam muito pra ficar livre de Itapecerica. E daí ganham mais importância e, o que mais lhes interessa, mais votos. Mas agora você já sabe, o Aniversário de Embu é no dia 18 de julho.
Mas sabe da história? Sabe quem fundou Embu? Os padres jesuítas. Isso há muito tempo, quase meio século, como dissemos, faz 453 anos. Foi em 18 de julho de 1.554! Quando os jesuítas criaram as missões para catequizar os índios desta região. Está aí a igrejinha e o Convento que os jesuítas de Embu construíram mais tarde. Sabia que é um dos seis monumentos mais importantes de São Paulo? Precisa saber como foi a história da Fundação de Embu. Vou contar mais ou menos como contou o Dr. Moacyr Jordão, nosso primeiro e maior historiador, que descobriu a data da Fundação do Embu, em 18 de julho de 1.554:
“O sonho de Nóbrega era então o Paraguai”, que pertencia à Espanha, e porque lá estavam os jesuítas espanhóis, também cuidando dos índios, o padre Manuel da Nóbrega, um dos jesuítas portugueses que vieram ao Brasil, e fundou São Paulo junto com o Padre Anchieta, queria, a todo custo, ir ao Paraguai para se aproximar dos índios Carijós e dos jesuítas espanhóis, mesmo contra as ordens do rei de Portugal. Fundou, então, em 1553, a aldeia de Maniçoba, alguns km do Planalto de Piratininga (São Paulo) em direção do Paraguai. Mas logo teve que abandonar Maniçoba, porque os índios tupiniquins, instigados pelos portugueses de João Ramalho, que bem antes já se havia instalado em Santo André, mataram “a flechadas e espadas” muitos dos 200 índios carijós, que estavam vindo com um jesuíta espanhol até Maniçoba. Mais tarde outros 50 Carijós foram também trucidados. Os jesuítas apavorados pensaram em abandonar a missão. Nóbrega procurou, então, região mais tranqüila para abrigar s índios carijós e os guaranis, mais pacíficos, que aceitavam bem os ensinamentos religiosos e “estavam preparados para receber o Santíssimo Sacramento”. Estabeleceu-se, então, no Planalto de Piratininga. Ergueu, juntamente com o pe. Anchieta, a igrejinha, lá onde está a igreja nova no pátio do Colégio. Foi consagrada no dia 25 de janeiro de 1554, quando se comemora o dia do apóstolo São Paulo, por isso, o nome de São Paulo dado à aldeia que se formou ao seu redor, hoje a nossa grande São Paulo. Mais tarde aldeou os índios no Bohi, mais seguro, mais próximo da aldeia e nos caminhos dos sertões ou para o litoral. Ainda assim, os tupiniquins continuavam a persegui-los. Deixando o Bohi, Nóbrega pensou em fundar nova missão e passou para a aldeia dos Reis Magos, que outra não era senão a aldeia do M’Boy, ou atualmente Embu, como prova do Dr. Moacy Jordão, tendo por base a carta de 18 de julho de 1554, em que Pero Correia narra essa “passagem de Nóbrega” para fundar a missão jesuítica, berço da nova aldeia.
Estava fundado o Embu em 18 de julho de 1554.
Então, pra não se esquecer de que, todos os anos, o dia 18 de julho é o dia do aniversário do Embu, amarre uma fitinha no dedo!

Prof. Dr. Antonio Luiz Cagnin.


0 comentários:

Postar um comentário